segunda-feira, 18 de março de 2019

Eugénia Campilho (SANTA EUGÉNIA)



EUGÉNIA CAMPILHO
99º aniversário da sua morte.

A data escolhida para a entrevista foi 18 de Março de 1919. Precisamente no ano em que a histórica figura perfazia 74 anos. Faleceria, na mesma data, mas no ano seguinte.



Eugénia Adelaide de Morais Campilho Montalvão, nasceu em 14 de Junho de 1844 e faleceu em 18 de Março de 1920. Era irmã de Ana Augusta de Morais Campilho Montalvão e, em consequência, cunhada de Augusto César Campilho (proprietário das Águas Campilho).





(registo de nascimento de Eugénia Campilho)


No que concerne a Eugénia Adelaide de Morais Campilho Montalvão “a Santa Eugénia” e segundo relatos que foram atravessando gerações, era uma verdadeira Senhora e do povo. Por exemplo, Ambrozina Oliveira Cruz (que conheceu, muito bem a nossa “Santa Eugénia”) transmitiu aos seus descendentes imagens comportamentais de Eugénia Campilho. Assim, dizia que não obstante ser fidalga e rica, sentia enorme preocupação em auxiliar os mais necessitados. Ainda num tempo em que Vidago era uma simples aldeia, a sua postura de pessoa simples e generosa granjeou-lhe enorme respeito e estima por parte de toda a comunidade local. 

Ou seja, ainda em vida, Eugénia Campilho, já era venerada pelo seu povo que também a tratava por A JUSTA."















OBS:
Este texto, assim como o vídeo da entrevista a Eugénia Campilho (Santa Eugénia), serão passíveis de ser visualizados nas páginas do Facebook da Casa de Cultura de Vidago, SINAL TV, Amigos de Vidago, Vidago passado e presente, pessoas e património.

Amanhã, dia 20 de Março, será publicada nas páginas acima descritas, uma crónica intitulada, CURIOSIDADES DA FAMÍLIA CAMPILHO. O documento contém informação, detalhada, muito interessante e preciosa sobre a história desta família que marcou, de forma indelével, a aldeia de Vidago, principalmente, durante a última metade do Século XIX e primeira do Século XX.


Um abraço e até breve...

sexta-feira, 15 de março de 2019

Livro Óbolo às Crianças | 1887


(Capa de "Óbolo às Creanças" por Camilo Castelo Branco e Francisco Martins Sarmento)




Páginas 51 e 52 | Etimologia da palavra VIDAGO



(Livro impresso na antiga tipografia Occidental | Porto 1887)


(Egresso Bernardo de Brito Júnior pseudónimo de Camilo C. Branco)


Foram impressos 5.000 exemplares cujo o produto deste livro foi generosamente oferecido pelos seus ilustres autores ao Real Hospital de crianças Maria Pia e à Creche de São Vicente de Paulo para fundo da sua escola.



Um abraço e até breve...

quarta-feira, 13 de março de 2019

Eng. Amaro da Costa e Vidago | 1965

Estávamos no verão de 1965 quando o Vidago Palace Hotel recebeu como hóspede o Eng. Adelino Amaro da Costa e sua família. Prova disso é o cartão de livre trânsito à piscina desse hotel, para o ano de 1965.



(Cartão impresso na gráfica Bolhão - Porto | 5.000 ex. 1964)

Adelino Amaro da Costa

Político democrata-cristão português, nasceu em 1943, em Lisboa. Frequentou o Instituto Superior Técnico da capital, onde se licenciou, em Engenharia Civil.
Com a revolução do 25 de Abril e o período conturbado que se lhe seguiu, manteve sempre a serenidade, apesar dos vários ataques feitos às sedes do Centro Democrático Social (CDS), partido de que foi cofundador e o primeiro secretário-geral.
Foi deputado à Assembleia Constituinte e, depois, à Assembleia da República, de 1975 a 1980, e presidente do grupo parlamentar do seu partido, distinguindo-se pelas suas qualidades oratórias.
No VI Governo Constitucional (1980), da Aliança Democrática (AD), ocupou a pasta da Defesa. Faleceu, nesse ano, em Camarate, no desastre de aviação que vitimou também o chefe do Governo, Francisco Sá Carneiro, em plena campanha eleitoral para a Presidência da República. Investigações surgidas em 1995 levantaram a hipótese de não ter sido um acidente, mas sim um atentado contra o próprio Amaro da Costa, por este ter em seu poder documentos respeitantes a um negócio ilegal de armas.

Um abraço e até breve...

segunda-feira, 11 de março de 2019

Água Salus - Calendário 1931

...De todas a primeira!



Este calendário tem um pormenor interessante porque é de metal e para a época (1931) isto deveria ser raro no nosso pais. Tão raro que foi fabricado pela empresa alemã Prager & Lojda - Berlim.

Um abraço e até breve...

sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

Portarias | Águas de Vidago de 1870 a 1909


PORTARIA, 09 DE AGOSTO DE 1870


Portaria (ministério do reino — inédita) declarando que competia ao conselho de distrito aprovar o contrato para o arrendamento por cinquenta anos das águas minerais de Vidago, feito pela Câmara de Chaves.

(Legislação Portugueza - anno de 1870)



PORTARIA, 27 DE MAIO DE 1893

Portaria aprovando o regulamento geral da empresa das Águas de Vidago.


(Legislação Portugueza - anno de 1893)



PORTARIA, 25 DE SETEMBRO DE 1909

Portaria (Ministério das Obras Públicas — Diário do Governo n.° 218, de 27 de Setembro) aprovando e mandando dar execução ao projecto da avenida de acesso à estação da linha férrea, em Vidago.

(Legislação Portuguesa - anno de 1909)





Um abraço e até breve...

quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

Alvarás | Águas de Vidago de 1893 a 1904

ALVARÁ, 02 DE MARÇO DE 1893

Alvará concedendo por tempo ilimitado licença à empresa das Águas de Vidago para explorar as nascentes de águas minero-medicinais, denominadas Vidago, Oura, Vila Verde e Sabroso.

(Legislação Portugueza - anno de 1893)


ALVARÁ, 10 DE JANEIRO DE 1895

Alvará (ministério das obras publicas — Diário do Governo n.° 10, de 12 de Janeiro) concedendo a Augusto César de Moraes Campilho e outros licença para explorar as nascentes de águas minero-medicinais vulgarmente conhecidas por Fonte Campilho, no sitio de Revolar, próximo de Vidago, freguesia de Arcossó, concelho de Chaves.

(Legislação Portugueza - anno de 1895)



ALVARÁ, 02 DE DEZEMBRO DE 1897

Alvará (ministério das obras publicas — Diário do governo n.° 281, de 13 de Dezembro) aprovando a transmissão, para Cândido da Cunha Sotto-Maior, da licença para a exploração das nascentes de águas minero-medicinais vulgarmente conhecidas por Fonte Campilho no stio de Revolar, próximo de Vidago, freguesia de Arcossó, concelho de Chaves.

 
(Legislação Portugueza - anno de 1897)



ALVARÁ, 09 DE SETEMBRO DE 1904

Alvará (Ministério das Obras Públicas — Diário do Governo, n.° 203, de 12 de Setembro) concedendo definitivamente à empresa das aguas de Vidago licença para explorar a nascente de água minero-medicinal situada na freguesia de Arcossó, concelho de Chaves.



(Legislação Portuguesa - anno de 1904)




Na próxima publicação, publicarei as Portarias entre o ano de 1870 e 1909.

Um abraço e até breve...

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Vidago Salus | Anúncios

Os anúncios que publico, hoje, são de duas décadas que me marcaram e certamente a maioria dos leitores. Refiro-me às décadas de 70 e de 80 do século passado.

(Anúncio Setembro 1973)



(Anúncio Junho 1981)



Um abraço e até breve...

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Curiosidade - O naufrágio do vapor “Vidago“ | 1912


O naufrágio do vapor “Vidago“

Foi por motivo de forte cerração que envolveu totalmente o navio, quando pelas 3 horas e meia da tarde, do dia 21 de Setembro de 1912, no final da viagem que ia ligar Cardiff ao Porto, a tripulação do vapor deu conta dum brusco e violento estremeção, rapidamente seguido por um ruído fragoroso de madeiras e ferragens a desagregar, despedaçando-se. O costado do vapor caíra em cheio sobre as fatídicas pedras denominadas “Cavalos de Fão”, abrindo um enorme rombo, por onde, desde logo, irrompeu em correntes tempestuosas, uma avassaladora quantidade de água.

Apesar dos sinais de pânico, o capitão José Marnoto, ordenou serenamente que fossem arreados os escaleres de bordo, neles mandando embarcar a tripulação. Mal teve tempo a marinhagem de munir-se de alguma roupa, saltar para os escaleres e remar para o largo, evitando os efeitos do redemoinho, que a submersão do vapor determinaria, para apenas 10 minutos depois o navio naufragar, desaparecendo por completo. A tripulação que se manteve afastada da costa nos escaleres, ainda por algumas horas, foi encontrada por alturas de Vila do Conde, pelo rebocador “Rio Leça”, conduzindo-os para Leixões.

Durante as sondagens efectuadas no local do sinistro, pela Guarda-Fiscal, piloto da barra e cabo de mar, foram encontrados fragmentos de madeira e o diário de bordo.

O “Vidago” tinha sido avistado pela Estação Semafórica do Porto, pela 2 horas e 20 minutos da tarde, navegando de norte para sul, com terra à vista. Na ocasião da passagem pelo porto de Viana do Castelo, entrou num manto de neblina, que ocasionou o sinistro, presenciado por um encarregado do porto de Fão. Indivíduos conhecedores do local, afirmam que o navio está mergulhado numa profundidade de 20 braças. A tripulação chegou a terra sem relato de qualquer acidente.

(In jornal “O Comércio do Porto”, de 23 de Setembro de 1912)


Ficha técnica:

Nº Oficial: Iic.: Porto de registo: Porto
Construtor: Murdoch & Murray, Port Glasgow, 1883
ex “Cassia”, Stephens Mawson, Newport, 1883-1911
Arqueação: Tab 1.088,00 tons - Tal 676,00 tons
Capitão embarcado: José dos Santos Marnoto



Um abraço e até breve...

terça-feira, 8 de janeiro de 2019

Revista STADIUM de 1949 | Vidago Futebol Clube

No ano em que o Vidago Futebol Clube festeja os seus 70 anos de existência, publico um pequeno recorte da antiga revista de desporto STADIUM, de 1949, ano da fundação desta equipa de futebol. 

(Revista STADIUM nº 345, 13 de Julho de 1949 | página 15)


Julgo que esta fotografia do VFC seria das primeiras a ser publicada num órgão de comunicação social.


Legenda: Eis a valorosa equipa do Vidago Futebol Clube, no primeiro plano, da esquerda para a direita: Arlindo, Andorinha, Lelo (cap.), Espírito Santo e Secundino. No segundo plano: Alcino, Baptista, Justino, Alberto Pinto, Alberto, Ernesto, Fernando, Augusto e Maçano, maçagista.

STADIUM: revista desportiva nasceu a 17 de Fevereiro de 1932, com o seu formato inovador, fortemente assente na imagem e num grafismo de extrema qualidade. Tal foi o êxito que, em 1938, passou a ostentar o subtítulo: "o maior semanário desportivo da Península". Foi editada pela Sociedade Revistas Gráficas e teve como director Carlos Gomes da Silva (Fonte Wikipédia).
Um abraço e até breve...

quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

Revista "O Império Português" | artigo sobre a VM&PS

Bem vindos ao ano de 2019!

Para começar o ano, publico o artigo que saiu na revista "O Império Português", em 1934, sobre a antiga sociedade Vidago, Melgaço & Pedras Salgadas.




Um abraço e até breve...