quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Vidago 1893

















Em Março de 1893, o médico-cirurgião Alfredo Luiz Lopes, escreveu este livro de 83 páginas, intitulado "As Águas Minerais de Vidago em Portugal". O mesmo foi impresso pela Tipografia da Academia Real das Ciências.


Este livro está dividido em duas partes, a primeira, unicamente, descritiva. Fala-nos da localidade e dos estabelecimentos hidroterapêuticos de Vidago, do seu clima e altitude, do itinerário para a viagem, e finalmente da discrição das nascentes e suas águas. A segunda parte é dedicada ao estudo da acção fisiológica e terapêutica, das indicações médicas e do tratamento pelas águas de Vidago.Conforme a discrição do autor, Vidago era uma povoação da freguesia de Arcossó, concelho e comarca de Chaves, distrito de Vila Real e arcebispado de Braga. Esta povoação era atravessada pela estrada real nº 5 (actualmente estrada nacional nº2) e continha 160 fogos. A sua altitude é de 330 a 336 metros acima do nível do mar.

Na época a "Empreza das águas e hotéis de Vidago" era representada pelo seu sócio-gerente o Sr. Francisco Justino Marques Nogueira. Esta empresa explorava as quatro nascentes: Vidago e Oura, situadas a sueste da povoação, Vila Verde, em direcção oposta, e Sabroso, para sul. A nascente Vidago, era mais rica e melhor aproveitada, chegando a engarrafar 500.000 garrafas por ano. Este engarrafamento era executado desde o nascer do sol até à meia noite por turnos de quatro mulheres e de três homens.

Na página esquerda desta imagem, ficamos a saber quais eram os Depósitos das Águas de Vidago: Lisboa, Porto, Aveiro, Braga, etc. A sua venda era feita em todas as "pharmacias do reino". A página direita ilustra as medalhas e prémios conquistados pelas Águas de Vidago: Premiada nas Exposições de Viena, Filadélfia, Madrid e Paris em 1878, Rio de Janeiro, Lisboa (medalha de ouro), Bordéus (diploma de honra e medalha de ouro), Paris 1889, única concedida a Portugal.

(Este livro foi adquirido, em 2008, em http://www.antiquabook.pt.vu/)

domingo, 23 de novembro de 2008


Estância Salus
e a

Água Salus-Vidago - 1922







Este pequeno livro de 23 páginas, escrito por Artur Fernandes, médico e director clínico da estancia hidrológica Salus-Vidago, foi impresso nas Oficinas de "O Comércio do Porto" em 1922.

Este médico começa por descrever o antigo hotel Salus-Hotel como um dos melhores hotéis do seu género e uma das principais estâncias de Portugal. Era o único hotel em Vidago com abundante e finíssima água potável.



Em baixo, temos um quadro comparativo entre a água Salus e as suas congéneres de Vichy. Pela sua composição química, determinada pela análise feita em 1921, podemos deduzir que a água Salus tem uma mineralização e constituição idêntica às suas congéneres de Vichy, mas de alcalinidade e mineralização total e superior a estas.

E por fim, ficamos a saber que esta empresa, Companhia Portuguesa das Águas - Salus-Vidago, tinha sede em Lisboa na Rua de S. Julião (edifício do Banco do Minho), 168, telefone 2688, e com depósitos em: Lisboa -Rua Correeiros, 67/69, Porto - Av. Rodrigues de Freitas, 180 e Ermesinde - Av. Rodrigues de Freitas.

O seu depósito geral em Lisboa era a Pharmacia e Drogaria Peninsular, rua Augusta, 39 a 45.

(Este livro foi adquirido no ano de 2008, ao Toni de Braga)

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Vidago 1930



Estávamos no ano de 1930 quando a gráfica "Empreza Bolhão-Porto" produziu este pequeno guia turístico sobre "Vidago - Estancia de Cura e Repouso". Um guia muito completo para a época. A capa, como poderão ver, é muito bonita.

E como se trata de um guia, não poderia faltar um mapa de Portugal com as estradas do país!

(Este guia foi adquirido, em 2007, na Livraria Chaminé da Mota - Porto)

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Inauguração

Hoje, decidi criar o meu Blog...finalmente!
Neste espaço vou mostrar-vos algum material que faz parte da minha colecção sobre esta vila. Até breve...